Um final de semana em Antuérpia

Por Juliana Maian

Ao lado de Bruxelas, Bruges e Gent, a cidade de Antuérpia (em francês, Anvers e em holandês, Antwerpen) forma o principal circuito turístico da Bélgica. Localizada na região de Flandres, a parte “holandesa” da Bélgica, trata-se do local de maior concentração populacional do país (mais de 500 mil habitantes) e tem ares bastante modernos, porém sem deixar de conservar muito de sua história, que remonta à Idade Média.

 

O comércio tem papel fundamental na economia da cidade: possui um porto gigantesco, é a capital da moda belga e também um dos maiores centros de exportação de diamantes do mundo! Para o turista, Antuérpia possui muitas atrações, como museus, igrejas e monumentos. Abaixo, seguem algumas opções para um roteiro de dois dias na cidade.

 

Estação Central

Relógio da Estação Central da Antuérpia |  Por Juliana Maian

Relógio da Estação Central da Antuérpia | Por Juliana Maian

 

A maneira mais comum (e também a mais bonita) de chegar à Antuérpia é de trem. Saindo de Bruxelas ou de Gent, a viagem dura, em média, 1h, e de Bruges, 1h30. A Estação Central já é uma atração, com sua arquitetura que mistura o clássico ao moderno. Separe um tempinho para apreciar e fotografar a estação por dentro e por fora, antes de sair desbravando a cidade.

 

Praça Central (Grote Markt)

Prédio da prefeitura e fonte central na Grote Markt | Foto por Juliana Maian

Prédio da prefeitura e fonte central na Grote Markt | Foto por Juliana Maian

 

A praça central, ou Grote Markt, é um dos pontos de encontro entre turistas e locais. É lá que fica a prefeitura (que tem um café bem bonito em seu interior), além de vários restaurantes.

 

É aqui também que está a fonte com as esculturas que contam a lenda que deu origem ao nome da cidade: um gigante que morava no porto cobrava um pedágio altíssimo dos que queriam atravessar o rio, punindo os maus-pagadores decepando uma de suas mãos e a atirando no rio Escalda.

 

Um valente jovem, chamado Brabo, matou o gigante e jogou a mão dele no rio. Em holandês, hand = mão e wearpan = arremessar. A mão virou um dos símbolos da cidade, que você provavelmente verá em fachadas, logotipos ou nas estampas de souvenirs.

 

Catedral de Nossa Senhora (Onze-Lieve-Vrouwekathedraal)

Fachada da Catedral de Nossa Senhora | Foto por Juliana Maian

Fachada da Catedral de Nossa Senhora | Foto por Juliana Maian

 

Mesmo para os não religiosos, esta catedral gótica – cuja construção foi finalizada em 1521 e, desde então, tem sido reconstruída e restaurada frequentemente – é um ponto incontornável de Antuérpia.

 

A Catedral de Nossa Senhora é imponente e cheia de obras de arte e retábulos antiquíssimos. Passeando por ela, você poderá apreciar obras do famoso pintor Rubens, além de uma coleção de quadros do Museu de Belas-Artes da Antuérpia, que estará exposta ali até 2017.

 

O horário de visitação é de segunda à sexta das 10h às 17h, sábados das 10h às 15h, domingos e feriados das 13h às 16h. O ingresso custa €6.

 

Casa de Rubens (Rubenshuis)

Esculturas na área externa da Casa de Rubens | Foto por Juliana Maian

Esculturas na área externa da Casa de Rubens | Foto por Juliana Maian

 

O pintor Pierre Paul Rubens, conhecido mundialmente por seus enormes quadros que evocam temas religiosos, mitológicos e históricos, viveu e trabalhou nesta casa na Antuérpia, entre 1610 e 1640. Com arquitetura de forte influência clássica romana, principalmente nos pórticos de entrada e no jardim cheio de esculturas, a Casa de Rubens conserva vários objetos e algumas obras da coleção particular do pintor.

 

Abre de terça a domingo das 10h às 17h e o ingresso custa €8.

 

Museu da Moda (Mode Museum – MOMU)

Exposição "Footprint. The tracks of shoes in fashion", em cartaz no MOMU até fevereiro de 2016 | Foto por Fabio Allves

Exposição “Footprint. The tracks of shoes in fashion”, em cartaz no MOMU até fevereiro de 2016 | Foto por Fabio Allves

 

No início dos anos 1980, a Antuérpia conquistou seu lugar ao sol no mundo da moda depois que o grupo de estilistas locais The Antwerp Six ganhou fama com um estilo inovador, que se tornou referência para gerações posteriores ao redor do mundo. O MOMU, localizado em um prédio clássico, porém com o interior bem modernoso, abriga exposições temporárias sobre o universo fashion. Até 14 de fevereiro, o tema são sapatos!

 

Abre de terça a domingo, das 10h às 18h (nas primeiras quintas-feiras do mês, fica aberto até às 21h). O ingresso custa €8.

 

Museum aan de Stroom (MAS)

Antuérpia vista a partir do interior MAS | Foto por Juliana Maian

Antuérpia vista a partir do interior MAS | Foto por Juliana Maian

 

O prédio do MAS já é por si só um acontecimento. Sua interferência no skyline da cidade pode ser percebida tanto olhando de fora como admirando a paisagem a partir do interior de seus terraços envidraçados.

 

O projeto, do escritório de arquitetura Neuteling Riedijk Architects, abriga 10 andares de exposições que contam a história da Antuérpia, da Bélgica e do mundo, por meio de temas como a relação do homem com o poder, as cidades, o comércio, a vida e a morte. Vale separar umas boas horas para circular por ali.

 

As salas de exposições abrem de terça a sexta das 10h às 17h e das 10h às 18h nos finais de semana. O ingresso para ver todas as salas custa €10. O terraço, cujo acesso é gratuito, abre às 9h30 e fecha à meia-noite. Fechado às segundas-feiras.

 

No inverno (novembro a março) as salas fecham às 17h e o terraço às 22h.

 

Cervejaria de Koninck

Equipamentos expostos na cervejaria ajudam a aprender sobre a arte de fabricar esta bebida tão apreciada no mundo todo | Foto por Juliana Maian

Equipamentos expostos na cervejaria ajudam a aprender sobre a arte de fabricar esta bebida tão apreciada no mundo todo | Foto por Juliana Maian

 

É praticamente impossível falar de Bélgica sem falar de cerveja. O pequeno país ostenta o número de mais de dois mil rótulos diferentes, produzidos localmente. Por isso, muitos turistas incluem um passeio mais “cervejeiro” em seus roteiros.

 

Em 2015, a tradicional Cervejaria de Koninck (em atividade desde 1833), inaugurou um tour bem legal, super multimídia e pensado com muito cuidado para receber os turistas e amantes da cevada. Vale muito a pena visitar e, claro, degustar as cervejas que são servidas no final do passeio!

 

O horário de abertura é de terça a domingo, das 10h às 18h. Como o tour dura de 75 a 90 minutos, os tickets são vendidos somente até as 16h30. Custa €12 por pessoa e inclui degustação de duas cervejas.

 

Comes & Bebes

Para ajudar a, literalmente, mergulhar no mundo das cervejas, algumas mesas do bar Bier Central ficam dentro de barris | Foto por Juliana Maian

Para ajudar a “mergulhar” no mundo das cervejas, algumas mesas do bar Bier Central ficam dentro de barris | Foto por Juliana Maian

 

Para apreciar as cervejas belgas, a sugestão é o Bier Central (De Keyserlei 25), bem pertinho da estação central, que tem um ambiente super agradável e uma verdadeira enciclopédia de cervejas no menu.

 

Costela no restaurante Amadeus | Foto por Juliana Maian

Costela no restaurante Amadeus | Foto por Juliana Maian

 

Na hora da fome, uma ótima pedida (se você não for vegetariano, é claro) é o restaurante Amadeus. Com duas unidades em Antuérpia (Sint-Paulusplaats 20 e  Suikerrui 7-9) e presença também em Bruxelas e Gent, o restaurante oferece menu “coma o quanto puder” de costela de boi + uma batata recheada por €15,95.

 

Antuérpia City Card

O centro de acolhida ao turista, que fica no número 13 da Grote Markt, possui muita informação e material para quem quer explorar a cidade. Ali, você também pode adquirir o Antuérpia City Card, que oferece entrada free e desconto em várias atrações, além de passe livre para toda a rede de transporte público. Como todos os cartões desse tipo, exige um certo planejamento para ser bem aproveitado e valer a pena. Os valores são: €25/24h, €32/48h e €37/72h.

 

Agradecimento: Equipe Visit Antwerp

 

Mapa

 

Dica: O app Port of Antwerp (disponível gratuitamente na Apple Store e na Google Play) oferece rotas de walking tours pelo porto da cidade e pode ser uma boa para quem quer dar uma explorada “pelas próprias pernas”.