América do NorteBlogBox-6Destaques Home

29.12.2014

Trilha no lado sul do Grand Canyon

A trilha Bright Angel Trail vista lá de cima | Foto por Bruna Cazzolato Ribeiro
A trilha Bright Angel Trail vista de cima | Foto por Bruna Cazzolato Ribeiro

 

Por Bruna Cazzolato Ribeiro

 

Diante de toda a grandiosidade do Grand Canyon, é no South Rim, parte ao sul do Parque Nacional americano, onde o visitante encontra opções para todas as idades. Ao decorrer da borda sul, muitos mirantes apresentam paisagens de tirar o fôlego. Procure pelas placas com nomes de viewpoints, elas levam aos mirantes tão esperados. É difícil escolher a posição mais bonita, mas é no pôr do sol que os lugares são mais disputados.

 

Há cinco centros de visitantes posicionados em pontos distintos do parque. Porém, não são todos que permanecem abertos durante a temporada de inverno. Além de informações aos turistas, os centros apresentam algumas exposições sobre o parque. Geralmente existem opções de alimentação e compras perto dos centros de visitantes.

 

O sol se pondo | Por Bruna Cazzolato Ribeiro
O sol se pondo | Foto por Bruna Cazzolato Ribeiro

 

O The Grand Canyon Visitor Center é o principal. Por sua localização perto da portaria, é considerado o ponto de partida para a aventura. Deste centro partem ônibus para as outras áreas do parque, onde trafegar com carro não é permitido. Os ônibus têm paradas específicas e com um mapa em mãos é fácil planejar suas paradas.

 

Aproveite para se informar sobre todos os detalhes do parque nos centros de visitantes. As crianças têm um espaço especial nos parques americanos, e o Grand Canyon dispõe de diversas atividades para os pequenos e também para os curiosos, que acontecem em horários específicos, em vários pontos do parque. A programação é diversificada e varia diariamente. Aqui, por exemplo, acontece o projeto Junior Ranger, no qual a criança retira um caderno de atividades e completa durante a visitação no parque. Ao final, o participante recebe um certificado.

 

Para os aventureiros de plantão

Os aventureiros se sentem no paraíso, já que trilhas não faltam. Existem alternativas para todos os estilos, desde baixa a alta intensidade. As opções vão de trilhas para fazer em algumas horas a caminhadas para mais de um dia. Para quem prefere caminhadas tranquilas, os trechos entre alguns mirantes são adequados pela facilidade de acesso.

 

Uma das trilhas mais famosas é a Bright Angel Trail, próxima ao Kolb Studio, na parada Village/Hermits Rest Route Transfer da linha azul do ônibus. A parte mais popular da trilha chega até o Plateau Point, ponto mais próximo do rio que se consegue alcançar em um dia de trilha. Até este ponto ida e volta totalizam 19 quilômetros de caminhada. Com aproximados 900 metros de variação de altitude, a trilha é considerada íngreme e requer um pouco de prática para completá-la.

 

Rio Colorado visto do Plateau Point | Foto por Bruna Cazzolato Ribeiro
Rio Colorado visto do Plateau Point | Foto por Bruna Cazzolato Ribeiro

 

O mais importante na natureza é o planejamento. Respeitar o seu limite e a força da natureza são pontos cruciais. Antes de fazer as trilhas, verifique os pontos de parada, a intensidade do sol na época do ano em que você está visitando, a localização de bebedouros (quando existentes) e o mais importante, a distância. Calcule o tempo de caminhada, acrescente o tempo de contemplação e também de descanso. Lembre-se que na volta o cansaço aumenta.

 

Acesso ao parque

Saindo do Brasil, o meio mais fácil de chegar a este lado do parque é voar até Las Vegas e dirigir por 275 milhas (445 quilômetros) ao sul. Aproveite as facilidades das estradas americanas, alugue um carro e dirija pelas estradas US–93 S, I–40 W e AZ–64 N / US-180 S para chegar ao parque. O legal é que a rodovia AZ – 64 faz parte da famosa Rota 66.

 

Ainda é possível dirigir aproximadas 60 milhas (96 quilômetros) pela AZ–64 N / US-180 S e chegar até Williams ou mesmo escolher Flagstaff, a 79 milhas (127 quilômetros) da entrada do parque pela US-180 S e depois sair para US-180 W, para descansar.

 

Onde se hospedar

Para dormir, há opções de hotéis, pousadas e campings dentro do parque, mas espere por baixa disponibilidade especialmente na alta temporada. Há três campings dentro desta área do parque – Mather Campground, Desert View Campground e Trailer Village (único que aceita motorhome). É possível pernoitar em campings durante as trilhas, mas para isto é necessário uma autorização e reserva especial. Os seis hotéis e pousadas estão espalhadas pelo parque e, geralmente, estão localizados próximos aos centros de visitantes. O passo a passo para as reservas está disponível no site do parque.

 

Informações úteis

— O site oficial do parque apresenta informações importantes para visitação. Não deixe de acessá-lo antes de iniciar o seu planejamento;

— O horário de funcionamento do parque muda conforme a época do ano: no inverno, fecha mais cedo e, no verão, mais tarde;

— Verifique a época do ano e se prepare para temperaturas intensas;

— Sempre carregue pequenos lanches e água durante sua visitação. Apesar da boa estrutura desta área do parque, a fome pode apertar em momentos que não imaginamos;

— Depois de tirar todas as suas dúvidas e com um bom mapa na mão, aproveite toda a beleza que o lugar pode te proporcionar. Ele não decepcionará.

Compartilhe por aí

Sobre o autor

2 comentários em “Trilha no lado sul do Grand Canyon”

  1. Adorei…o lugar deve ser muito lindo mesmo …só de contemplar as fotos já da pra viajar nos detalhes do local muito bem apresentados por vc…uma ótima dica para próxima viagem…

  2. Bruna, muito show! Fiquei curioso para ver mais fotos 🙂
    Como é o clima? Muito frio a noite? Os rios dá para nadar?
    Já guardei este post, quero fazer a Bright Angel Trail kkkk

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima