Barbadas

Um encontro consigo e o deslumbramento do roteiro

Esse foi o roteiro maravilhoso criado pela Liliana, para a viagem de nosso grupo de Biodanza à França.
A França, por sua história, seu patrimônio artístico, sua beleza natural variada e sua culinária impecável, além da deslumbrante Cidade Luz, tornou-se um dos destinos mais sonhados e cobiçados dos viajantes.
Vamos iniciar pela Côte d’Azur, a costa banhada pelo azul e verde do Mediterrâneo, com suas cidades milionárias, Nice, Cannes, Eze, o principado de Mônaco e Monte-Carlo, além de outras cidadezinhas que serpenteiam pelas encostas, um misto de Rio de janeiro com Petrópolis.
A montanha é cortada por 3 estradas, chamadas Corniches e pode-se ir pela mais próxima ao mar, pela da metade da montanha ou no seu cume, com uma vista deslumbrante.
Rumo a Cannes pegamos o barco e se inicia nossa aventura na Ilha, onde os biodanceiros da Europa estão continuamente dando maratonas e fazendo encontros…
Ao sair da Ilha dormiremos em Grasse e vamos rumo a Moustier Sainte Marie, um dos locais sagrados da França, com lendas e histórias de milagres e descobertas. A região onde este Mosteiro está localizado é uma Gorge (Canyon, Garganta), Gorges du Verdun, com um riozinho verdíssimo lá no fundo e cidadezinhas medievais nas encostas das montanhas.
Agora direção Provence! Considerada por muitos o máximo da França, com suas cidadezinhas cada uma com suas características, muitas delas encimadas por um castelo, cheias de charme, com tudo INHO, lojinhas, igrejinhas, bistrozinhos, feirinhas, pracinhas, seus campos de lavanda, suas comidas com alecrim… Tem também Gordes, onde num mosteiro cultivam lavanda, Roussillon com suas casas pintadas das cores da terra, Isle sur la Sorgue e seus canais, Fontaine de Vaucluse, inacreditável.
Na Provence ficaremos em Aix, que tem na sua avenida Cours Mirabeau, segundo os urbanistas, as proporções mais perfeitas do planeta…
De lá Avignon, cidade dos Papas e da Ponte (sur le Pont d’Avignon on y danse on y danse), em seguida Carcassonne, a mais bem conservada cidade medieval fortificada da Europa.
Minha região preferida, sei lá porquê, é a que entraremos agora, é olhar o tempo todo da janela do ônibus… São paisagens inesquecíveis, o charme único de Saint Cirque Lapopie, cheinha de galerias de arte e artesanato, o castelo lá em cima e o rio lá embaixo, de lá para Rocamadour, encarapitada na montanha como os muitos ninhos de águias que ali existem, também lugar sagrado de peregrinação.
Em Sarlat, vamos torcer para conseguirmos realmente realizar nosso vôo de balão, além de ter lá pertinho a famosa Gruta de Lascaux, com seu touro enorme e conjuntos de pinturas rupestres de 17 000 anos antes de Cristo. A Gruta parece ter sido um santuário.
Passaremos rapidamente por Brantôme, a Veneza da Dordogne, com sua Abadia, suas cavernas, seus canais, seus moinhos e seus restaurantes fantásticos para comer Confit de Canard, Foie Gras, terrines gentilíssimas, sem culpa: hoje tem tudo orgânico sem sofrimento para os bichinhos…
E então rumo aos Castelos do Loire, nossa! que grandiosidade!!!! Vamos virar reis e rainhas, príncipes e princesas nessas moradas da realeza, com todas suas intrigas, traições, fausto e circunstância…

Estamos chegando a Paris. Quase tudo já foi falado dessa cidade que oferece todas as alternativas de tudo, mas faltaram alguns detalhes:
– vocês sabiam que numa área correspondente à que está dentro da Avenida do Contorno em BH Paris tem 400 jardins?
– que será preciso atravessar a Champs Elysés e ficar no canteirinho do meio-na Place de la Concorde, para fotografar a mais bela perspectiva do mundo, Champs Elysées e ao fundo o Arc du Triomphe?
– Que a Petit Pont, a pontezinha que sai de Saint Germain para a Notre Dame, tem para alguns o mais belo Por do Sol de Paris?
– Que na Pont des Arts não passam carros e é um magnífico local para piquenique e champanhe sentados no chão?
– Que estaremos na primavera e nosso hotel tem passagem quase obrigatória pelo Jardin de Luxembourg, imperdível?
– Que o passeio inevitável de Bateau Mouche tem de ser no entardecer, para ver a Cidade Luz se acender?
– Que é na Rue de Bac, no Saint Germain, que tem a Capela da Medalha Miraculosa? Imperdível!
– Que pegar ônibus é tão fácil como o metrô e você não faz taturismo, mas turismo de verdade pois vai vendo tudo?
“Allons enfants de la Patrie”, vamos amigos, ótima viagem, alegria, audácia e a coragem enorme de ser feliz!

Tenho vontade de fazer novamente esta viagem com mais algumas cidadezinhas pelo caminho até Paris.

Sherezade Salzmann Faria Silveira

Armazém Restaurante, Foz de Iguaçu 

Conheci o primeiro e único rodízio de bacalhau em minha vida, eu amo bacalhau e conheci meu paraíso! 🙂

Betty

Mochilando na França com bebê

Para quem tem filhos pequenos ou bebês como eu, uma dica é alugar carrinho de passeio ou bebê conforto na França (tem em toda Europa). Existem várias lojas de aluguel de apetrechos para bebês. Você pode optar em buscar na loja ou eles entregam no hostel/hotel em que ficar.
Outra dica, especialmente em Paris, se forem usar metrô com muita frequência, prefiram o uso de canguru e não carrinho de bebe, pois as escadas são monstruosas. Ah, no Louvre você pode pegar emprestado um carrinho de passeio e devolver na saída, sem custo adicional. Só tem que levar uma cópia de seu passaporte para retirar o carrinho.

Fabiana Lima

Excelente pousada na Chapada dos Veadeiros 

Passei o carnaval de 2013 em Alto Paraíso de Goiás na Chapada dos Veadeiros com outros casais de amigos e nos hospedamos numa pousada incrível chamada Pousada Casa do Cerrado. Já fiquei em diversos hotéis e pousadas, mas nunca fui tratado com tanto apreço.
A Shiva e o Marcelo (proprietários da pousada) são pessoas verdadeiramente honestas, sem falar da tranquilidade e simplicidade que eles transmitem aos hospedes. O café da manhã era muito bom, tudo novo e quentinho, suco de abacaxi com hortelã, coisa de vovó mesmo, com carinho!!
Antes de tomar a decisão de ir para a Pousada Casa do Cerrado eu pesquisei em todas as pousadas de Alto Paraíso e o que eu vi foi um festival de pessoas que se diziam alternativas e desprendidas do mundo material, só que na realidade eram extremamente materialistas e pediam preços absurdos para um período, até que encontrei a Pousada Casa do Cerrado que fez um preço justo.

ricardo

Hotel cinco estrelas pelo preço de três 

Estive em Belém neste carnaval de 2013, exato para fugir do Carnaval. Fiquei hospedada no Radisson Maiorana no centro de Belém. Os quartos deste hotel têm 40 metros quadrados, piscina no último andar e café da manhã sortido e de excelente qualidade. Fiz minha reserva pelo www.hoteis.com e paguei a diária a R$175,00. Inacreditável!

Deja

Viña Del Mar

Voltando de um passeio de uma semana pelo Chile (20 a 27 de janeiro 2013). Seguem as dicas:

– Viña del Mar: achei totalmente descartável. Cidade feia, de arquitetura duvidosa, praia horrorosa, a indefectível ruazinha de comércio abarrotada de gente pós-praia tomando seu sorvete. Vale só pela curiosidade de molhar os pés no Pacífico, ou arriscar uma graninha no cassino. Preferia ter dispendido mais tempo em Valparaíso, mas cada qual com seu interesse. Parece que tem uns parques e museus legais por lá, mas meu tempo era curto para isso, posto que só fiz um bate-e-volta de Santiago.

Gloria

Valparaíso

Voltando de um passeio de uma semana pelo Chile (20 a 27 de janeiro 2013).

Super bacana, passear à toa pelos cerros é uma ótima pedida. Depois tomar umas nos bares da calle Almirante Montt. O porto também é muito legal, e tem até avisos de zonas de tsunamis! Achamos o máximo, é claro.

Glória

Santiago

Voltando de um passeio de uma semana (20 a 27 de janeiro 2013). Seguem as dicas:

– Faz frio pela manhã e calor infernal de tarde. É bom levar um casaquinho daqueles que se amarram na cintura, caso seja totalmente avesso a uns arrepios.

– Ficamos em um apartamento na divisa do centro com Lastarria. Nada excepcional, mas era bem equipado e a localização foi perfeita. Boulevard Aparts – calle Monjitas 744 – 690 dólares por sete diárias, para 4 pessoas.

– Para quem aluga um apartamento, pode-se providenciar o café nos supermercados, ou nas inúmeras cafeterias da cidade. Às vezes tem alguma promoção, mas não espere nada muito barato em Santiago. Recomendo o Café Mosqueto, na rua do mesmo nome. É bem caro, mas para um dia só vale a pena.

– No centro, procure o Bar Nacional (paseo Huerfanos). Antigo e tradicional, comida e bebida com preços razoáveis.

– O Museu de Bellas Artes não fica na Plaza de Armas, como mencionou o colega, mas no início do Parque Forestal (esse que ladeia o rio Mapocho). Aos domingos ele é gratuito, e o parque fica lotado – boa oportunidade de conhecer os hábitos chilenos.

– Não percam a troca da guarda no Palácio La Moneda: é muito, mas muito bacana! Melhor ainda são os cães acompanhando a marcha e a banda, com seus latidos. Acontece dia sim, dia não, sempre às 10h.

– Se quiser tomar umas nas calçadas em Lastarria, chegue cedo: às 21h, não se encontra mais nenhuma mesa fora. E do lado de dentro não se vê o movimento da rua, que pelo menos para mim é a principal diversão em viagens.

– Bella Vista / calle Pio Nono só funcionam bem de noite. De dia, o movimento é fraco e a maioria dos bares fica fechado.

– Não fui até Providência à noite, pois me pareceu elitizado demais… eu particularmente prefiro locais mais pitorescos, mais copo sujo mesmo. Mas o povo fala que lá é legal.

– Por falar em copo sujo, cerveja barata, comida farta e mesas na calçada em plena luz do dia = avenida Brasil, bem junto da praça. Tem vários, um ao lado do outro.

– Parque Quinta Normal: adorei o Museu de Artes Naturais, com excelente exposição da flora/fauna/geologia de todo o país.

– Cerro Santa Lúcia: bem bacaninha. Já no San Cristoban nos demos mal, posto que tanto o teleférico quanto o funicular estão parados há tempos para manutenção. Quem não quiser subir a pé (nós arriscamos, e foi dureza!), tem que pegar um micro-ônibus na entrada da Pio Nono.

– Ah, chegada no aeroporto: pegue o ônibus bem na porta e desça na estação de metrô; de lá se segue para qualquer parte da cidade. É bobagem gastar com táxis ou vans.

– Pueblito de Los Dominicos: no final da linha vermelha, um verdadeiro oásis dentro da cidade! É uma vilazinha cheia de lojas de artesanato e alguns bares, além de viveiros com aves e um milhão de gatos – que eu adoro! Foi para mim o melhor local para visitar.

– E o mercado central, é claro. Comemos um peixe divino em uma dos bares menores (El Marino, eu acho). Donde Augusto e o outro central que esqueci o nome ficam cheios demais e são caros, ao que me disseram.

Glória

Sardenha 

Vale muito a pena alugar um carro em Olbia e ir até Alghero, passando pela Costa Esmeralda, Palau e Stintino . As praias são lindissimas!!! Perca pelo menos 3 dias na Costa Esmeralda, as praias Spiaggia del principe e Capriccioli são de tirar o folego

Ana beatriz

Festival de jazz

Em junho acontece um festival de jazz na praça central de Bruxelas onde muitos jovens se reúnem e festejam com cervejada e uma boa estrutura montada ao ar livre. A cidade fica movimentada e recebe turistas da Europa inteira. Além de ser gratuito é uma ótima experiência para mochileiros que estejam passando por lá.

Marina Soares