Barbadas

Em busca de companhia

Vou viajar março ou abril – 2015 só, de carro; saindo de Florianópolis, subindo por Foz do Iguaçu, Salta, Jujuy, Villazon, salar Uyuni, lagunas, salares, Atacama, Salta, e descendo até Patagônia e El Calafate nos Glaciares. Busco cias. positivas, será uma viagem simples e buscando natureza, paisagens, culturas, vivencias, aprendizagens. Hostels, albergues, acampar. Tudo com higiene, segurança e conforto.
Interessados e-mail: gscuba22@hotmail.com

Gustavo

Em busca de companhia

Vou viajar março ou abril – 2015 só, de carro; saindo de Florianópolis, subindo por Foz do Iguaçu, Salta, Jujuy, Villazon, salar Uyuni, lagunas, salares, Atacama, Salta, e descendo até Patagônia e El Calafate nos Glaciares. Busco cias. positivas, será uma viagem simples e buscando natureza, paisagens, culturas, vivencias, aprendizagens. Hostels, albergues, acampar. Tudo com higiene, segurança e conforto.
Interessados e-mail: gscuba22@hotmail.com

Gustavo

Backpackers Hostel Piedra Blanca – UYUNI 2012

Hostel muito bacana, bem próximo à estação de ônibus na cidade de Uyuni (a dica foi de um casal de finlandeses que conheci na viagem). Cheguei de madrugada e o pessoal foi super atencioso, os quartos são limpos e banheiro idem, com café da manhã incluído. Direción: Av. Arce, nº 27. Tel (591) – 2 – 693 – 2517. piedrablanca_hostel@hotmail.com. Preços: doble (2 camas, com baño privado): 190 Bs; matrimonial (com baño privado): 190 Bs; Matimonial (com baño compartido): 150 Bs; Dormitorio 8 camas: 55 Bs/cama. Capacidade para 30 pessoas.

Sumirê da Silva Hinata

Museu Histórico Nacional

No Museu Histórico Nacional, em Santiago, tem uma visitada guiada que acontece todos os dias, gratuitamente, das 10h às 17h, passa uma guia chamando os visitantes do museu para conhecerem uma área que foi restaurada há pouco, a torre do relógio. Desde fevereiro fazem isso. É uma visita de 30min, com muitas informações interessantes, que sobe quase até o relógio de 4 faces da torre do museu. Lá de cima, ela abre as portas da sacadinha e os visitantes podem tirar fotos em todas as direções. É bem bonito.

 

Pâmela Berton

Lagoa Quilotoa

Lagoa Quilotoa no Equador é um lugar imperdível para quem gosta de viajar e de se aventurar. Para chegar o viajante deve ir para a cidade de Latacunga e de lá contrata um tour. Caso queiram podem ir por conta. Existem hospedagens baratas no local. Equador recebeu em 2013 o prêmio internacional de melhor destino da América do Sul. Equador foi um dos países mais baratos que visitei.

Luiz Fernando

Perito Moreno

Visite a Cueva de las Manos
Para quem estiver viajando de carro (preferivelmente, mas não a única forma) pela Patagônia argentina, sugiro que visitem a Cueva de las Manos. Trata-se de um sítio arqueológico com pinturas em cavernas de aproximadamente 10.000 anos. Também há um cânion impressionante. A entrada fica próxima à Ruta 40 e a cidade mais próxima é Perito Moreno (não o Parque, mas sim a cidade). Não há transportes para lá, então, aqueles que não estão de carro devem contratar um tour para o local ($30). Vale a pena! Também há lugares interessantes para dormir próximo de lá.

Rafael Martins

Budapeste com B de barbada 

1 – É mais do que justo começar pela estrela da cidade: o rio Danúbio com suas navegações por margens e caminhadas por águas. Experimente comprar um bom vinho local e tomá-lo sentado à beira rio ao cair da noite, só ou acompanhado, é inspirador !

2 – A profusão de bons e baratos restaurantes turcos da cidade é um atração à parte. Assim como a variedade de saladas prontas, queijos, iogurtes, vinhos, chocolates e chás nos supermercados. O típico Sírio Al Amir no centro vale mais do que uma parada. E os sorvetes extra dark merecem uma investida diária. Não perca o mussaka feito por uma mão turca !

3 – A Cave Church no meio do monte Gellert tem entrada gratuita aos domingos. As catacumbas na parte alta de Buda são interessantes e desafiantes.

4 – O percurso do centro até o parque Metropolitano através da avenida Andrassy é verdejante e melhor aproveitado se feito caminhando.

5 – No parque acima citado há um zoo com uma parte interativa repleta de animais domésticos acessíveis ao toque.

6 – A ilha Margarit com seus parques, minizoo, sítios arqueológicos e fontes d\’água dançantes vale mais de uma visita.

7 – O Panorama Hotel na rua Kiraly é uma achado. Do aeroporto, pegue o shuttle minibus que é barato e pontual.

8 – Linhas de ônibus urbano turisticamente mais úteis: linha 16 e linha 105.

Anotem os intinerários: 8.1- linha 16: centro de Pest -> ponte -> pé do bairro do Castelo -> alto do Castelo -> centro baixo de Buda.

8.2- linha 105: Praça dos Heróis -> avenida Andrassy -> centro de Pest -> ponte -> pé do bairro do Castelo.

O mês de junho é ótimo ali: ensolarado mas não muito quente. Boa viagem.

Maria

Budapeste – parte a evitar 

1 – A maior roubada são os táxis: os valores podem variar de 2 a 9 mil florins numa mesma corrida, mesmo horário e dia da semana, a depender do caráter do taxímetro. Os ônibus urbanos são mais seguros e fáceis: em todas as paradas há descrição das linhas com números e itinerários. Fora isso, a maior parte da cidade é plana e agradável de se percorrer a pé.

2 – Os hostels da avenida Kossuth Lajos são capazes de extorquir o hóspede em 64 euros num quarto que conta com uma cama somente e mais nada.

3 – Os ônibus turisticos do serviço hop in hop off demoram-se demais ao parar nos pontos. O resultado é que passam-se muitas horas de seu precioso tempo de viajante sem que vc haja visto dez por cento da área de interesse.

4 – As bicicletas concorrem com os pedestres na calçada quando, já que se trata de veículo alternativo ao poluidor, deveriam concorrer pelo mesmo espaço com o poluidor a quem pretendem substituir.

5 – Os barcos turísticos noturnos cobram muito caro em passeios por demais rápidos e superficiais. Melhores fotos noturnas vc faz ao pasear pela orla do rio. Aproveite que a cidade é segura mesmo à noite!

6 – A visita ao interior do prédio do parlamento é cara, obrigatoriamente guiada e ostensivamente vigiada como se o turista fosse um terrorista. O prédio, a propósito, é bem mais belo por fora mesmo!

Maria

Hungria fora de Budapeste – Não Discrimine

1 – EGER: encabeça a lista de barbadas com muito merecimento a pequena capital de província que tem um patrimonio histórico-arqueologico-cultural maior do que o da capital nacional, proporcionalmente a tamanho. O único lugar onde não precisei recorrer aos restaurantes turcos pois a comida local é deliciosa. De junho a primeiro de agosto, pode-se ver e escutar o muezin cantar do alto do minarete bem no centro da cidade. O cara já não mais é somente um sacerdote: já virou estrela. Aos domingos, é realizada numa das praças centrais uma das melhores feiras de comida dos três continentes que já visitei. E foi onde me hospedei mais barato em toda a viagem: 25 euros no Hotel Arany Trofea. De Budapeste, saem ônibus a cada duas horas da Stadion bus station. 2

– Siofok: a jovem e balneária cidade na margem oriental sul do lago Balaton proporciona banhos no calor e patinação no gelo. Cisnes e marrecos misturam-se a corvos e há praias de areia, grama e cimento. Para conhecer outros paraísos na margem oposta, navega-se até Tihany e Balatonfured. Há ruas inteiras cobertas por um verdadeiro céu de folhas verdes. No City Hotel, os quartos com janelas para o estacionamento podem ser um pouco barulhentos durante à noite. Se fizer questão de dormir, pegue um quarto do lado da rua. De Budapeste, uns tres ônibus diários saem da Nepliget bus station.

3 – Gyor: sobrados barrocos e teatro na praça. Avenidas se abrem para shows ao ar livre e bosques para um rio verde azulado. O artesanato mais belo e criativo de toda a viagem. A Abadia de Pannonhalma é uma viagem dentro de outra. No Hotel Levai, se quiser dormir não pegue quarto voltado para a rua da frente. Fora isso, ali vc será atendido por um casal cuja energia marcará sua história de viajante.

4 – PÉCS: com exceção de Atenas, nunca havia antes visto um sítio arqueológico tão grande e tão bem preservado bem no centro de uma capital, como é a necrópole paleocristã da cidade. Na praça que avizinha esse cemitério antigo, assisti a um dos melhores festivais de música de minha vida viajante.

 

Maria

Buenos Aires

Cada dia visite um bairro
Fiz uma viagem de ônibus em dezembro/2005, saindo de Porto Alegre/Montevideo e Buenos Aires. Saindo do terminal Tres Cruces, em Montevideo, peguei um ônibus até Colônia, que demorou mais ou menos 2 horas, depois peguei o Buquebus, que demorou mais hora de travessia até Buenos Aires. Buenos Aires é linda, fiquei hospedado no Hotel Ibis, que fica na Hipolito Yrigoyen, 1592 – Congresso.
– Cada dia visite um bairro, vá de trem, pois os trens de lá são bem baratos e rápidos. Palermo é um bairro muito charmoso, cheio de esculturas, já a Recoleta é supermoderna, com lojas sofisticadas. Porto Madero é lindíssimo, com muitos restaurantes. Tire o domingo para ir a San Telmo, que tem uma feira de antiguidades que é super movimentado. A Florida é linda, durante a semana é intransitável, aproveite e visite a Galeria Pacífico, a loja Falabella. É comum você andar pela Florida e assistir a shows de tango gratuitos na rua.
– Uma dica de comida boa e barata é o Restaurante Cancun, que fica na Lavalle. Tire um dia para conhecer Tigre e outro para conhecer La Plata, vá de trem, a viagem demora mais ou menos 2 horas. – Em Tigre tem ótimos passeios de barco, já em La Plata tem uma igreja lindíssima em estilo gótico. A Av. 9 de julho é linda, com o enorme Obeslico. Não deixe de visitar a Casa Rosada e o Teatro Colón. Troque seu real na Florida, pois lá as casas de câmbio pagam melhor, mas sempre pesquise preços antes de trocar. Se precisar de internet, não se preocupe, em cada esquina tem uma lan house, que sai mais barato que usar a internet do hotel.
– Um dia ainda volto a Buenos Aires, pois, vale a pena… Boa viagem…

Claudemir Garattini