BarbadasBarbadas e RoubadasRede de viagens

07.08.2007

Noroeste Argentino

Belezas da região Noroeste
Salta, a bela, é a principal, mais bonita e rica cidade do noroeste da Argentina. Menos conhecidas, são localidades que podem ser acessadas em 4 horas a partir de Salta, como Cafayate com sua Quebrada, as ruínas de Quilmes e as bodegas, e a grande e imponente Quebrada de Humahuaca, a mais característica Argentina andina. Cafayate, uma pequena cidade com uns 10.000 habitantes que vive da produção de vinhos e do turismo, fica a 3h30 de ônibus de Salta. Ela situa-se no denominado Vale Calchaquie, um conjunto de vales que se inicia na província de Tucumám e possui uns 200 km de comprimento por 5 a 10 km de largura.
Em direção a Salta, por 60 km circula-se por uma sinuosa estrada que acompanha a Quebrada, ou seja, um estreito vale cercado de montes com formações sedimentares, já muito mexidas por movimentos tectônicos e desgastadas pelas intempéries, o que permite-nos ver a variedade de camadas, cada qual com composição diferente, o que se reflete em suas distintas cores. As agências locais organizam tours a pé ou a cavalo por trechos que não podem ser acessados de outra forma, o que permite visualizar-se formações diferentes. Uns 30 km ao sul de Cafayate situam-se as ruínas de Quilmes, o mais valente povo pré-colombiano da Argentina. Uma comunidade com população estimada em 5.000 pessoas resistiu 130 anos às investidas dos espanhóis que buscavam escravizá-los para trabalhar nas minas de prata. É uma grande e bem conservada cidade de pedra, a Macchu Picchu argentina. A Quebrada de Humahuaca é maior. Tem uns 130 km se considerarmos também o braço que é usado pela estrada de acesso ao Atacama. A melhor cidade para hospedagem é Tilcara, um lugarejo de 3.300 habitantes, com população bem andina e muita estrutura para o turista de qualquer nível econômico. Além de percorrer a estrada, que ao final leva a Quaica, principal acesso à Bolívia por rodovia, vale visitar Purmamarca, Humahuaca e Maimara. São imperdíveis o Pucará e o Museu de Tilcara e o Cerro Sete Colores em Pumamarca.

Fernando Motta

Compartilhe por aí

Sobre o autor

Rolar para cima