Barbadas e RoubadasRede de viagensRoubadas

28.01.2008

Maladragem portenha

Estive em Buenos Aires agora em jan e achei que os portenhos estão muito abusados. Só falta te chamarem de otário. Eu e minha irmã até brincamos: as palermas de Palermo (bairro onde ficamos). Eles dão o troco errado (e se fazem de desentendidos), te cobram (não pedem) gorjetas, os taxistas dão voltas enormes com vc e alguns restaurantes te levam até as calças por uma comida terrível.
Quanto ao restaurante, me refiro ao Bogotá (Sarmiento, prox. à Florida). O lugar vive cheio (somente de brasileiros – leia-se os bobos – pois os portenhos não entram lá). O proprietário é um tremendo malandro e tentou até surrupiar nossos documentos quando dissemos que iríamos até a delegacia do turista denunciá-lo. Um grupo grande de brasileiros que também estavam lá queria “pegá-lo” de jeito naquela hora…
Tivemos problemas com apenas um taxista, muito do safado, que mesmo eu dizendo que ele estava fazendo um caminho “estranho”, afinal, já era minha 2ª visita à cidade e é muito fácil se orientar nela, insistiu em nos roubar. Hijo de perra…desci, paguei e só então xinguei (que não sou boba).
Fora isso, o real está muito bem cotado, as ruas estão tranquilas, há muitos policiais e a cidade inteira está em liquidação – um paraíso para mulheres com seus cartões de crédito… (se bem que o meu deu pau – se não tivesse levado uma graninha teria passado fome). O banco do brasil que me aguarde com uma bela ação de reparação de danos…
Alugamos um apartamento bem legalzinho em Palermo (tranquilíssimo). A proprietária foi gente fina, mas a imobiliária uma porcaria (bairesapartmentes.com). Seu transporte é uma droga (além de ser mais caro), não havia ninguém para nos receber no ap. quando chegamos e não nos atenderam quando lhes telefonamos, apavoradas querendo saber porque não havia ninguém no ap. Fora isso, tudo certo.
Ainda bem que a malandragem não é regra em Buenos Aires, mas eu me assustei pra caramba com a voracidade deles em tentar nos passar a perna a qualquer custo (até em shopping center e na loja da Samsonite isso aconteceu). Já decidi que em janeiro não volto por lá nunca mais (minha 1ª visita foi num mês de maio). Janeiro rola muita farofa… e então vc acaba entrando no bolo.

Flávia

Compartilhe por aí

Sobre o autor

Rolar para cima