BarbadasBarbadas e RoubadasRede de viagens

24.07.2007

Córdoba

Estâncias jesuíticas
A partir da cidade de Córdoba (Argentina), não deixe de visitar nos arredores as Estâncias Jesuíticas (5 ao todo), criadas pelos jesuítas no séc. XVII para cultivar uva e trigo, criar gado, etc., e que sustentaram economicamente seus colégios e missões na região do Rio da Prata e do Paraguai. Hoje são lindos prédios e igrejas coloniais, perfeitamente preservados, com excelentes museus e são consideradas patrimônio cultural da humanidade.
– As companhias turísticas de Córdoba cobram cerca de 60 pesos para visitar 3 estâncias, mas as saídas não são diárias e elas só fazem o passeio se houver pelo menos 3 pessoas interessadas. Como eu estava sozinho, tive que fazer tudo por conta própria e acabou sendo muito melhor, já que gastei menos (cerca de 50 pesos) e consegui visitar mais: 4 estâncias em um dia, faltando apenas uma, que fica extremamente afastada.

De manhã bem cedo peguei um ônibus de Córdoba a Jesús Maria (Empresa Ciudad de Córdoba, 1 hora, 3 pesos), e de sua rodoviária caminhei por certa de 15 minutos até a estância de Jesús Maria. Depois peguei um taxi que me buscou na própria estância e me levou até outras duas estâncias (a de Caroya, que fica também em Jesús Maria, só que um pouco mais afastada) e a de Santa Catalina (na qual se chega por uma estrada de terra em cerca de meia hora, inacessível com outro transporte, e a que tem a igreja mais linda de todas). Para visitar essas duas estâncias e voltar à cidade de Jesús Maria, o taxista me cobrou 35 pesos. Minha sugestão é que negociem bastante e aproveitem para pegar o táxi logo na rodoviária, no começo do passeio. De volta à Jesús Maria, peguei o ônibus de volta a Córdoba e de lá segui de tarde para a agradável cidade de Alta Gracia (Empresa Sarmiento, 2 pesos, 1 hora), onde fica a estância de Alta Gracia, bem no centro, encerrando minhas visitas e voltando a Córdoba no início da noite. Cada estância cobra 2 pesos pela visita, e é passeio para um dia inteiro, bem aproveitado.

Fabricio Pereira

Compartilhe por aí

Sobre o autor

Rolar para cima