12 curiosidades sobre o Recife

Por José Jayme

 

Se você for de Recife, certamente sabe que o correto é “do” Recife. E essa não é a única coisa que os “forasteiros” desconhecem sobre a capital pernambucana. Carinhosamente classificada como a maior cidade pequena do mundo pelos seus moradores, Recife tem várias particularidades que a tornam única, mesmo quando comparada com as outras capitais nordestinas.

 

01. O único lugar onde se idolatra o invasor

Estátua do conde Maurício de Nassau, localizada na praça da República em frente ao Palácio sede do governo de Pernambuco | Foto por José Jayme

Estátua do conde Maurício de Nassau, localizada na praça da República, em frente ao Palácio sede do governo de Pernambuco | Foto por José Jayme

 

Durante o século 17, o Brasil foi invadido pelos holandeses e, dentre as várias regiões que ficaram nesse domínio, Pernambuco foi uma delas. Nesse período, o estado foi comandado pelo conde Maurício de Nassau e uma grande expansão urbanística foi realizada na cidade.

 

Após a expulsão e ao passar de muitos anos, permeia pelo imaginário popular que a situação do estado seria bem melhor se os holandeses ainda estivessem aqui. Verdade ou não, o Conde Maurício de Nassau tem sua “fama” estampada em vários lugares, desde nome de ruas até uma universidade.

 

02. Recife já ficou refém de um boato – duas vezes

O ano era 1975 e a cidade ainda se recompunha de uma enchente devastadora. Mesmo com a construção da barragem de Tapacurá, criada para evitar cheias, a cidade sofrera as consequências das fortes chuvas.

 

Alguns dias após o nível da água baixar, correu o boato de que a barragem havia rompido e que a cidade seria engolida por uma onda monumental. Até que se descobrisse que tudo não passava de uma mentira, o caos se instalou, com pessoas abandonando seus carros e subindo em prédios. Por incrível que pareça, esse episódio se repetiu em 2011, agora com as redes sociais como carro-chefe.

 

03. A cidade mais bairrista em linha reta da América Latina

Praça Sérgio Loreto, com uma escultura do Galo da Madrugada e do fundador do bloco. Localizada em frente a sede do bloco, considerado o maior bloco do mundo | Foto José Jayme

Praça Sérgio Loreto, com uma escultura do Galo da Madrugada e do fundador do bloco. Localizada em frente à sede do bloco, considerado o maior bloco do mundo | Foto José Jayme

 

O recifense tem a curiosa característica de ser megalomaníaco. Tanto é verdade que já foi feito um documentário a respeito, contando as diversas histórias que fazem do recifense um povo que tem mania de grandeza.

 

Para citar alguns exemplos, já se falou que o Shopping Center Recife é o maior do Brasil (e de fato até foi); que o Galo da Madrugada é o maior bloco do mundo (também já foi); que a Av. Caxangá é a maior avenida em linha reta da América Latina (nunca foi); e que temos o segundo maior polo médico nacional.

 

Lembra dos holandeses? Após a expulsão, eles se instalaram nos Estados Unidos e fundaram uma cidadezinha ao nordeste do país chamada Nova York. Sem falar nos rios Capibaribe e Beberibe, que se unem para formar o oceano Atlântico. Se quiser saber mais sobre essas e outras histórias, o documentário se chama – e não poderia ser diferente – O Melhor Documentário do Mundo.

 

04. Um roteiro exclusivo aos lugares mal assombrados

O Recife é a capital mais assombrada do Brasil – de acordo com os próprios recifenses –, e o mais interessante é que várias dessas histórias de assombração estão consolidadas em um roteiro oferecido pela Secretaria de Turismo da cidade. Passando por diversos bairros, os turistas podem se deliciar e ficar com um frio na espinha com as histórias das assombrações do rio Capibaribe e do Cemitério de Escravos da Cruz do Patrão, entre outras.

 

05. Um dos poucos lugares onde se vai à praia para não tomar banho de mar

Fotos das placas proibitivas de banho devido ao risco de ataque de tubarões | Foto por José Jayme

Fotos das placas proibitivas de banho devido ao risco de ataque de tubarões | Foto por José Jayme

 

Nos últimos 20 anos, o Recife se tornou um dos lugares com maior incidência de ataques de tubarão do mundo. E não se trata de megalomania. Pesquisas identificaram que o fenômeno se deu por influência do Porto de Suape, localizado ao sul da cidade, cuja expansão afetou o ecossistema da região e fez com que esses predadores fossem cada vez mais próximos das praias em busca de alimento, gerando diversos ataques a banhistas e levando a óbito em alguns casos.

 

Esse fator gerou uma mudança de comportamento para os frequentadores da orla urbana. Inicialmente com a prática do surf proibida, as limitações se estenderam ao banho de mar, e hoje o que se vê são “banhistas” que fazem de tudo na praia: tomam cerveja, jogam bola, correm… mas não tomam banho de mar.

 

06. Roberto Carlos não é o rei

No reino da cidade do Recife, Roberto Carlos não tem autoridade. O cantor é respeitado e admirado por muitos, mas se tratando da dinastia musical, o Recife tem Reginaldo Rossi como monarca.

 

07. Uma das cidades brasileiras com maior influência francesa

Estação central do Recife, com fachada semelhante a Gare Du Est de Paris | Foto por José Jayme

Estação central do Recife, com fachada semelhante à Gare Du Est de Paris | Foto por José Jayme

 

No século 19, época da Revolução Industrial, o Recife começou a receber diversas intervenções urbanas de influência francesa. Estruturas de ferro vindas da Europa foram utilizadas em construções e ornamentações pela cidade, como as estátuas da Ponte Maurício de Nassau, importadas de Val D’Osne, região da França rica em fundições.

 

Além do mais, o engenheiro francês Louis Léger Vauthier foi responsável por diversas obras na cidade, como o teatro Santa Isabel e a estação central do Recife, inspirada na estação Gare dD Est da capital francesa, além do Mercado de São José, mais antigo edifício pré-fabricado em ferro no Brasil e inspirado no mercado de Grenelle, localizado – adivinhem onde? – em Paris. Ainda tem dúvidas dessa influência? Pergunte como o recifense chama o painel de um carro. Na capital pernambucana ele é conhecido como tabelier.

 

08. Meu nome não é rocambole

A culinária nordestina tem diversas particularidades, mas em Pernambuco você encontra iguarias que dificilmente achará em outros estados do Nordeste. Talvez a mais famosa seja o bolo de rolo que, para os recém apresentados, é confundido com um rocambole. Se delicie com ela e aprenda que bolo de rolo é seu nome.

 

09. Pode-se conhecer um castelo medieval sem precisar ir à Europa

Instituto Ricardo Brennand, no bairro da Várzea, | Foto por Portal da Copa/ME via Wikimedia Commons

Instituto Ricardo Brennand, no bairro da Várzea | Foto por Portal da Copa/ME via Wikimedia Commons

 

Inaugurado em 2002, o Instituto Ricardo Brennand está sediado no bairro da Várzea, em um conjunto arquitetônico em estilo medieval composto de uma pinacoteca, uma galeria e um castelo que abriga um museu, circundados por um vasto parque. Possui uma grande coleção de objetos artísticos e históricos (incluindo obras de Frans Post), um acervo de mais de 62 mil livros, datados do século 16 em diante, e um dos maiores acervos de armas brancas do mundo, a maior parte proveniente da Europa.

 

10. Se refrescando com uísque

Recife é a cidade brasileira com o maior consumo de uísque per capita do Brasil. A cidade já ocupou o posto de maior consumidora do mundo de uísque da marca Johnnie Walker (apenas para reforçar a mania de grandeza do recifense) e a grande ironia disso mora no fato de que, assim como as outras cidades do nordeste, Recife possui temperaturas altas na maior parte do ano.

 

11. Onde encontrará a primeira sinagoga das Américas

Primeira sinagoga das Américas | Foto por José Jayme

Primeira sinagoga das Américas | Foto por José Jayme

 

Devido à forte presença judaica no passado, o Recife possui a mais antiga sinagoga das Américas. E isso não é fruto da megalomania recifense. Ela está localizada na rua do Bom Jesus (antiga rua dos Judeus) e fica aberta de terça à sexta das 9h às 17h, domingo das 14h às 18h.

 

12. Boate nova? Aproveite!

A cidade não tem uma cultura forte de casas noturnas. Infelizmente muitas abrem e, num prazo de no máximo três anos, fecham. Uma exceção é o Downtown Pub, que está na ativa desde 1997. Se estiver na cidade e puder conhecer alguma boate recém inaugurada, corra. Mesmo sendo a primeira, pode ser a última vez que você vai entrar nela.